TRÊS DIAS POR URUBICI

Iniciamos a nossa quarta-feira de descanso em Petrolândia e terminamos ela em Urubici. No meio da manhã pegamos estrada e nos despedimos da Represa Perimbó, o próximo destino era a serra catarinense, mais precisamente a cidade de Urubici. Essa foi a nossa terceira passagem por lá e a segunda com a Matilda.

Chegamos como que já conhece tudo e seguimos para o Camping Nossa Senhora das Graças onde ficamos hospedados. Na nossa primeira passagem por lá de kombi, também nos hospedamos neste camping e resolvemos repetir a dose. Neste primeiro dia, colocamos as coisas em ordem e lavamos um pouco de roupa que estava acumulando. Uma das maiores facilidades dessa hospedagem é a cozinha coletiva, que nós não tínhamos usado na primeira vez e fez toda a diferença. Além de uma geladeira para guardar os alimentos, fogão e mesa de jogos, esse local servia como ponto de encontro dos outros campistas e por lá conversamos e conhecemos melhor o pessoal.

Café da Manhã no Camping
Cozinha comunitária e sala de jogos

Cortesia da proprietária, Dona Ana, desta vez nós tivemos direito ao café da manhã no camping também. Como além da área de camping o local tem chalés e quartos para aluguel, toda manhã é servido café e fez toda a diferença acordar e já ter uma mesa linda te esperando hahaha. Depois de uma primeira tarde organizando a casa, no final do dia saímos com as bicicletas para dar uma volta no centro da cidade.

Estivemos pela primeira vez em Urubici no ano de 2013 e pela última vez em 2015. O ponto forte da cidade são as paisagens e com isso o turismo vem se desenvolvendo muito pela região e a diferença que vimos no centro e revisitando os pontos mais turísticos é bem grande. Chegamos no hotel já era noitinha, fizemos nossos hamburguers de lentilha e atualizamos alguns capítulos da nossa série favorita.

Para o segundo dia estava planejado alguns passeios pela cidade, o primeiro deles era a visita ao morro da Igreja, acordamos cedo, tomamos café e fomos até o centro buscar a autorização para o Parque Nacional São Joaquim. Essa autorização é gratuita e obrigatória para chegar até o Morro da Igreja, ela foi criada para ter mais controle dos carros e não sobrecarregar o parque. No dia em que fomos o trânsito estava bem tranquilo e vimos poucos carros pelo acesso. Chegamos ao topo e o tempo se fechou completamente, além do branco, sentimos a diferença de temperatura e se no centro dava para suar no sol, lá colocamos até gorro.

Depois de alguns minutos, o branco começou a dar lugar a paisagem e aproveitamos os poucos minutos de tempo aberto para fazer algumas imagens e aproveitar essa paisagem que tanto gostamos.

Na volta para o camping, paramos na Cascata Véu da Noiva. Esse era um dos lugares que seguíamos o conselho do meu irmão sobre não ser nada demais, mas quisemos conferir se valia ou não a pena. Pagamos a taxa de R$5,00 cada um e apesar de ser uma queda d’água bonitinha, decidimos que realmente não vale tanto a pena assim.

No camping o Germano começou a se queixar ainda mais das dores que vinha sentido desde de manhã, além do mal estar e dor no estomago. Resolvemos adiar os planos do dia para ele se recuperar um pouco. Não sabemos direito o que aconteceu, se foi uma virose ou algo que ele comeu, mas logo passou. Conversamos sobre o que gostaríamos de conhecer e de rever pelo lugar e decidimos que ficaríamos mais um dia na cidade.

Na manhã seguinte, com o Germano se sentindo muito melhor, aproveitamos para revisitar a Cascata do Avencal. Durante o caminho percebemos mais uma vez a mudança no local e várias construções novas pelo caminho de curvas e pinheiros que nos leva até o início da trilha. Na última vez que viemos para Urubici vimos uma foto da queda por baixo no centro de informações turísticas e perguntamos como se fazia para ter aquela vista, depois da explicação do guia, seguimos para conhecer e esse se tornou um dos nossos lugares favoritos da serra.

A trilha que leva até a queda é curta e fácil de fazer, embora algumas vezes você tenha que ter um pouco de atenção para não escorregar em alguma pedra. A paisagem final vale cada passo.

Depois de revisitar dois lugares que gostamos muito, resolvemos conhecer algo novo e a tarde seguimos para o morro do Campestre. Nós fizemos o percurso da fazenda até o topo do morro a pé, pois só estavam deixando carros 4×4 subirem, mas não temos dúvida de que a Matilda subiria numa boa aquela estrada (e no dia seguinte teríamos certeza). Depois de alguns minutos de subida com o sol escaldante sobre a nossa cabeça chegamos a Pedra Furada que fica no topo. Como em todas as caminhadas que fizemos, chegar ao destino é maravilhoso e em um passe de mágica o cansaço vai embora, nesse dia até os mosquitos sumiram.

Ficamos bastante tempo lá no alto, subindo nas pedras e indo cada vez mais para o alto, a vista é compensadora e já temos mais um lugar favorito de Urubici para a nossa lista.

Depois de três dias explorando e descansando nessa cidade encantadora, chegou a hora de pegar a estrada com destino ao Rio Grande do Sul, mas isso fica para outro post. O vídeo de Urubici já está no ar, confira:

Até mais!

One thought on “TRÊS DIAS POR URUBICI

  • Quanta foto linda! ♥
    Esse nublado deu um toque todo especial pra foto, ficou magnífico!

    E essa mesa de café da manhã, hum! O camping parece muito bom, nunca tinha visto um tão completinho, até com mesa de sinuca!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *