Guarda do Embaú

Continuando a nossa passagem pelo litoral catarinense e pelas praias que sempre ouvimos falar e nunca visitamos, chegamos na Guarda do Embaú.
Passar a noite em um posto de gasolina na BR-101 facilitou muito a nossa viagem, embora a falta de energia tenha feito a gente ficar sem o nosso ventilador maior, conseguimos nos virar usando os ventiladores da própria Kombi e deixamos as janelinhas traseiras abertas. A noite foi tranquila, o calor já não era o mesmo dos últimos dias graças a chuva que vinha caindo durante a noite.

Acordamos em um dia de sol rachando e nos arrumamos correndo para ir para praia aproveitar. Cada vez mais próximos do destino, vimos que o fato de ser durante a semana não traria muita tranquilidade para a nossa visita. A praia estava lotada, as ruas cheias, demos algumas voltas e resolvemos deixar o carro em um estacionamento que vimos quando chegamos. A diária saía por R$10,00 e o lugar fornecia banheiro e duchas, conversamos com o senhor que cuidava do local e nos certificamos que não teria problema usar o carro para cozinhar.

Cruzamos o centrinho em direção a praia e atravessamos o rio que antecede o mar, conseguimos fazer esse caminho a pé, já que o nível do rio nos permitia isso e não era preciso pegar um dos barquinhos que também fazem esse trabalho. Passamos a manhã aproveitando a praia, pegamos sol, tomamos banho no mar, vimos a maré subir aos poucos e migramos nosso lugar algumas vezes para se adaptar a essa mudança. E, mais uma vez, o tempo começou a fechar, resolvemos voltar para a Kombi antes de a chuva cair e escapamos por pouco dela. Preparamos nosso almoço dentro do carro no estacionamento e descansamos um pouco até que o tempo abriu outra vez.

Nos informamos sobre onde iniciava a trilha que vimos algumas pessoas fazendo e seguimos pelo caminho que nos levaria até uma outra praia. Não chegamos na metade do caminho e a chuva voltou a cair, cada vez mais forte. Tentamos nos abrigar em algumas pedras, depois voltamos um pouco e ficamos em uma área cobertas com árvores. O tempo tranquilizou outra vez e continuamos até uma piscina natural nas pedras, tomamos um banho e mais chuva. Voltamos para a Kombi debaixo de uma garoa fina e aproveitamos a ducha fria no estacionamento como banho do dia.

Já estava começando a entardecer quando deixamos o lugar, passamos num mercadinho para comprar algumas comidas e reabastecer a nossa caixinha. A nossa ideia nesse dia era passar a noite em algum posto outra vez, só que antes de Florianópolis. O GPS só informava postos do lado contrário ao nosso e os retornos eram muito distantes. O único posto no nosso caminho não agradou muito e logo já estávamos na cidade outra vez. Passamos a entrada de Floripa e todos os postos continuavam muito movimentados e sem muito espaço. Assim que encontramos um, a chuva engrossou e a contragosto ficamos por lá mesmo. Logo nos acostumamos e esse posto se mostrou um lugar tranquilo e com muita infraestrutura. Desta vez, além de banho grátis e água gelada, ele tinha cozinha para você fazer sua própria comida.

Passamos a noite chuvosa por lá e no outro dia descobrimos que ele ficava ao lado de um retorno que nos levou até a capital do estado rapidinho.

O vídeo já está no ar, confira:

Até mais!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *